Uso do Pix gera nova ferramenta de arrecadação de doações para entidades

Atualizado: há 4 dias



Publicado originalmente no Valor Econômico, sob o título ''Uso do Pix gera nova fonte de arrecadação (sic) de doações para entidades'


Por Gabriela da Cunha

Imagem: Agência Brasil



Nessa semana, Petrópolis, na região Serrana do Rio, foi atingida por uma forte chuva que causou perdas materiais a famílias e ao comércio, e também óbitos. Tudo aconteceu rapidamente, assim como há um mês, quando a cidade sofreu a maior e mais devastadora catástrofe já registrada na região e uma das maiores do país. As duas ocorrências geradas pelas tempestades guardam inúmeras semelhanças. A reação aos danos, também. Uma delas é o uso do Pix como forma de mobilizar recursos para amparar as famílias vítimas.


O meio de pagamento instantâneo lançado em novembro de 2020 pelo Banco Central como um serviço inovador do Sistema Financeiro Aberto, o Open Finance, foi amplamente usado por Defesa Civil e entidades que atuaram nas enchentes nos estados da Bahia e Minas Gerais no início do ano.

Na Cidade Imperial, a Associação SOS SERRA publicou um post em rede social no dia 15 de fevereiro indicando a chave Pix (CNPJ 43.307.192/0001-96). Horas depois, a entidade conseguiu recursos para comprar as primeiras cestas básicas e kits de higiene para os desabrigados. “Quando soubemos da extensão da tragédia que tinha acontecido na cidade, agimos rapidamente e a resposta que tivemos também foi muito rápida", conta Gisela Simas, fundadora do grupo.

Duas empresas de mídia outdoor também divulgaram a campanha em painéis eletrônicos em vários pontos do Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense. O resultado da adesão ao Pix pode ser visto na comparação com outros meios. Menos de cinquenta repasses foram feitos por depósitos em dinheiro na conta corrente.

Cerca de 300 doações financeiras entraram via transferência bancária (TED e DOC). Algumas outras foram feitas por Paypal. “A maioria esmagadora foi mesmo via Pix. E foram mais de 1.500 depósitos de valores entre R$ 0,01 e R$ 0,99 centavos, totalizando R$ 703,45. Cada um doa o que pode e é somando nossas forças, de pouco a pouco, que conseguimos fazer a diferença”, diz Gisela. Ter "liberdade" sobre o valor a ser doado também é um fator destacado pelo Movimento por uma Cultura de Doação, que desde 2014 organiza, no Brasil, o Dia de Doar - ação que surgiu nos Estados Unidos em 2012 e é realizado formalmente por 55 países sempre na primeira terça-feira após o Dia de Ação de Graças, celebrado em alguns países da América do Norte. “O Dia de Doar é para celebrar a generosidade e doação e muitas organizações da Sociedade Civil aproveitam a data para mobilizar recursos - seja financeiro, de talento ou mantimentos. O Pix é uma forma rápida e segura das pessoas doarem dinheiro na quantia que desejarem e na sua capacidade.”, diz Márcia Kalvon Woods, assessora da Fundação José Luiz Egydio Setúbal e membro do comitê. A ferramenta também é usada pelas entidades para se relacionar com o público atendido. A Associação de Petrópolis faz o repasse de valores referentes ao pagamento de três meses de aluguel, para que famílias desabrigadas consigam deixar os abrigos. O Pix também parece facilitar uma espécie de "desbancarização" (quando não se usa ou não se têm acesso a serviços de instituições bancárias ou financeiras), nesses grupos, especialmente a partir da pandemia.

"Há menos de 2 anos, para uma organização da sociedade civil receber uma doação on-line e lá tinha duas opções: ser cliente de algum sistema de pagamento, o que gera descontos, mesmo que pequenos, em todas as doações. Ou possuir seu próprio sistema de doação on-line, o que é caro e fora da realidade de muitas organizações", observa Nathalia Gonçalves, que é coordenadora de projetos na consultoria ponteAponte e pesquisa o uso da tecnologia no setor de impacto.

Entre os 370 membros associados da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), o produto foi rapidamente incorporado ao dia a dia de trabalho. Em outubro de 2021, logo após o primeiro ano da implementação, 80% das ONGs brasileiras tinham pelo menos uma chave Pix, segundo levantamento da entidade. "O Terceiro Setor aderiu muito mais rápido do que muitas empresas. É uma ferramenta poderosa para aproximar e alavancar a generosidade das pessoas. Do ponto de vista de doação, é quase revolucionário, pois permite doar e ajudar em questão de segundos", avalia João Paulo Vergueiro, diretor executivo. Na avaliação da Associação, quatro em cada cinco instituições com uma chave Pix ativa relataram ter ampliado as captações.

Leia a reportagem completa aqui.